Skip to main content

O paisagismo do Plaza Mayor Residencial: vegetação atemporal

Inspirado em um resort, o empreendimento Plaza Mayor Residencial, da construtora Embraplan, é focado na qualidade de vida e lazer. Localizado em Piracicaba, o projeto possui 3 mil metros quadrados de área externa, oferecendo muito mais do que um simples lugar para morar.

Com o objetivo de tornar estas áreas em ambientes agradáveis, o paisagista Daniel Nunes trouxe para a vegetação do empreendimento o aspecto atemporal que os edifícios normalmente carregam, incluindo no projeto árvores nativas, palmeiras, capins e arbustos com floração. “Tudo isso sempre organizado em canteiros e jardineiras bastante definidos para direcionar o fluxo de circulação. Ao elaborar um projeto de paisagismo, é importante levarmos em conta o estudo da arquitetura, pois muitas vezes a própria estética nos direciona a uma lista de plantas específicas para aquele estilo”, explica.

Segundo Daniel, muito além da escolha da vegetação, o paisagista deve ter total domínio de como o empreendimento irá funcionar e qual o público atenderá, para então criar programas específicos. “Além disso, é importante levar em conta a setorização dos elementos propostos e quais serão os percursos feitos. Todos esses elementos são cuidadosamente pensados e organizados de forma a criar experiências agradáveis a quem usufrui”, relata.

O paisagista informa ainda que em todo o projeto é necessário que se leve em conta as peculiaridades climáticas da região e com o Plaza Mayor não foi diferente. “Além dos aspectos gerais da cidade, como índice pluviométrico, temperatura média, umidade etc, é importante observar as particularidades do terreno, que contam com influências vizinhas, itens como insolação, direção dos ventos, entre outros”, comenta.

E para quem tem vontade de levar um pouco deste verde para dentro do apartamento, o profissional dá as dicas. “Em primeiro lugar é necessário fazer uma observação a respeito da insolação no local onde gostaria de colocar as plantas. Bate luz solar direta, é luz difusa ou sombra? No geral, temperos e afins precisam de ambientes com mais luz. Ambientes sombreados pedem folhagens como costela de adão, maranta, licuala, jiboias etc”, diz.

Daniel Nunes Paisagismo

Com unidades em Campinas e São Paulo, o escritório possui 12 anos de existência e já elaborou mais de 750 projetos.


Comentários

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: